EFAPEL supera calor transmontano e continua na luta

Uma etapa louca que ligou Montalegre a Macedo de Cavaleiros provocou tremendas mudanças na Volta a Portugal em Bicicleta mas mantém a equipa EFAPEL na luta pela camisola amarela. Uma fuga que chegou a ter dez minutos de vantagem acabou por vingar e Daniel Mestre, que até ao fim do dia de hoje era o primeiro classificado, ocupa, agora, a segunda posição atrás de Rui Vinhas. O chefe de fila da formação liderada por Américo Silva, Jóni Brandão continua entre o lote dos favoritos.

O ritmo deste quarto dia de competição foi diabólico. Com temperaturas a rondar os 40 graus centígrados, os ciclistas pedalaram nas primeiras duas horas de corrida a mais de 46 quilómetros por hora. Houve muitos ataques. Fugas formadas e a EFAPEL trabalhou praticamente sozinha para controlar uma etapa fora do comum. Entretanto, e como mais ninguém assumia a vontade de lutar pela Grandíssima, Américo Silva optou por fazer poupar um pouco as forças dos seus corredores. Estes mostraram uma grande entreajuda, com o próprio Jóni Brandão a ir ao carro buscar abastecimento para os colegas se manterem hidratados.

Com os fugitivos a distanciarem-se, a EFAPEL voltou ao controlo do pelotão e os ciclistas pedalaram freneticamente para encurtar bastante a diferença, e conseguiu diminuir a distância para os que seguiam na frente. No final, Daniel Mestre entregou a camisola amarela mas a formação está bem posicionada para discutir a Grandíssima até ao fim.

“A etapa correu mais ou menos dentro do que era previsível. Nós não queríamos manter a amarela na nossa posse. Mas sempre pensámos que havia equipas que, como ainda não fizeram muito nesta Volta a Portugal, tentassem aproveitar a oportunidade. Não foi o que aconteceu. Neste momento, há duas equipas que já foram líderes e venceram etapas, a EFAPEL e o FC Porto. Quanto às nossas expectativas e aos nossos objectivos para a classificação geral, ainda se pode dizer que estão intactos”, afirmou o director desportivo da EFAPEL.

Certo é que a etapa que em teoria seria tranquila, mudou muita coisa e a Volta a Portugal está extremamente interessante. Amanhã realiza-se mais uma jornada dura com a clássica chegada à Senhora da Graça, em Mondim de Basto. As temperaturas vão manter-se altas e os corredores vão pedalar 191,9 quilómetros após a partida de Bragança. Será um dia bastante duro com três metas volante e quatro contagens de montanha. As duas primeiras são de terceira categoria e as restantes são de primeira.

Classificação na 3ª etapa da Volta a Portugal
1º    William Clarke            Drapac            3h49m50s
2º    Marco Frapporti        Androni Giocattoli    a 2s
3º    Benjamim Thomas        Armée de Terre    a 54s

15º    Jóni Brandão            EFAPEL        a 4m45s
33º    Daniel Mestre            EFAPEL        mt
47º    Henrique Casimiro        EFAPEL        mt
72º    Filipe Cardoso        EFAPEL        a 5m43s
74º    Rafael Silva            EFAPEL        a 7m08s
85º    Nuno Almeida        EFAPEL        mt
92º    António Barbio        EFAPEL        a 13m17s
9º    Álvaro Trueba        EFAPEL        mt

Classificação individual após a 3ª etapa da Volta a Portugal
1º    Rui Vinhas            W52/FC Porto        12h29m59s
2º    Daniel Mestre            EFAPEL        a 3m19s
3º    José Gonçalves        Caja Rural        a 3m21s

6º    Jóni Brandão            EFAPEL        a 3m31s
29º    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 3m49s
42º    Filipe Cardoso        EFAPEL        a 5m23s
81º    António Barbio        EFAPEL        a 26m14s
90º    Rafael Silva            EFAPEL        a 33m38s
97º    Nuno Almeida        EFAPEL        a 42m12s
118º    Álvaro Trueba        EFAPEL        a 52m05s